terça-feira, 21 de abril de 2015

7 billion dreams. 1 planet. Consume with care.

7 billion dreams.
7 billion ways
7 billion lives.

All together?

Within the same web.
Within the same tent.
The tent that is the planet.
The planet is a mother.
The mother nurtures the child.
The son who is struggling.

People who are hungry.
We headquartered.
The world that impresses
And press.

All wanting everything.
But one day it finds the background
And in the background when it ends
At the time it will be only cry.
The cry of everyone.
Floods the sick world.

To have tomorrow
You need to think about now.
And now is very urgent.
Who will take care of us?
The people of the future
Depends on today
And today is almost yesterday

We can not wait
We must act
Fight and not run away

By conscious world
The right to dream

With a clear tent, sound and tidy
Illuminated, happy and excited

For the life of one who inhabits

All hand in hand
The consume intelligently
In keeping just enough

Without killing the planet
To conclude the agony and live in harmony



7 bilhões de sonhos.
7 bilhões de caminhos.
7 bilhões de vidas.

Todas unidas?

Dentro da mesma teia.
Dentro da mesma tenda.
A tenda que é o planeta.
O planeta que é uma mãe.
A mãe que acalenta o filho.
O filho que se debate.

A gente que tem fome.
A gente que tem sede.
O mundo que impressiona
E pressiona.

Todos querendo tudo.
Mas um dia se acha o fundo
E no fundo quando termina
Na hora só se chora.
O choro de toda a gente.
Inunda o mundo doente.

Para haver o amanhã
É preciso pensar no agora.
E o agora é muito urgente.
Quem vai cuidar da gente?
A gente do futuro
Depende do hoje
E hoje é quase ontem

Não podemos mais esperar
Temos que agir
Lutar e não fugir

Por um mundo consciente
Pelo direito de sonhar

Com a tenda limpa, sadia e arrumada
Iluminada, feliz e animada

Pela vida de quem nela habita

Todos de mãos dadas
A consumir de forma inteligente
Em harmonia apenas o suficiente

Sem matar o planeta
Para findar a agonia e viver em harmonia


Um comentário:

Gustavo Alvarez disse...

hahaha lindo

abraço,

Papagaio Mudo