terça-feira, 10 de março de 2009

Não sinta pena de mim

Um mundo inteiro para te dar
E você a hesitar
Sequer sabe o que perde
Preso que está em seu mundinho

Enquanto isso sigo eu de nostalgia
E solidão

Mas não sinta pena de mim não
Pois eis que sigo sentindo a vida
Em plena pulsação
Ela passa por mim e eu a sinto
refrescar o meu rosto
Esquentar o dorso da minha mão
Em meio ao caos da circulação

Estou em momento de pausa
Pensei fosse você a nota que faltava
Enganei-me?

Está a tocar pálidos desafinos
E eu orquestra sibiliante
mal consigo me conter
É, não era mesmo para acontecer

Mas não sinta pena de mim
Eu vivo cada dia com esperança
E o sorriso de uma criança

Para você insensatez
Para mim apenas mais uma chance
de ser feliz outra vez

Portanto, não sinta pena de mim
Vou chorar mais um pouco
Logo me refaço e serei mais completa
E você? O que espera?
O fim da festa?

Um comentário:

Viviane disse...

Gostei muito do seu blog moça. Tanto que estou seguindo você! O que escreve mostra muita transparência e sensibilidade. Até fiz uma citação sua no meu blog. Se não se importar...

Espaço muito bem utilizado este seu!

Bj...